Arquivo

Archive for the ‘Introdução’ Category

II – Possuímos certos conhecimentos a priori e o próprio senso comum não os dispensa

abril 25, 2009 1 comentário

A tarefa de Kant agora é distinguir efetivamente os conhecimentos a priori dos conhecimentos a posteriori e dar mais substância à definição de conhecimento a priori de forma que a existência de tal conhecimento seja provada.

Na busca de um critério de distinção entre um conhecimento puro e um empírico, podemos observar que a experiência nos mostra que um objeto é desta ou daquela maneira, mas não nos diz que tal objeto não poderia ser de outra maneira. Esta afirmação de Kant está ligada à noção de necessidade e significa que nada nos impede que imaginemos que as coisas poderiam ser de outra forma, sendo o “imaginar” compreendido como operações do entendimento. Leia mais…

Anúncios

I – Da distinção entre o conhecimento puro e o empírico

abril 25, 2009 1 comentário

Kant inicia a sua Crítica da Razão Pura anunciando enfaticamente que todos os nossos conhecimentos começam com a experiência. Isto é justificado pelo fato que não poderia haver outra maneira de adquirir um conhecimento senão pela excitação de nossos sentidos pelos objetos com os quais nos deparamos.

As representações subsequentes destes mesmos objetos serão comparadas, reunidas ou separadas por nossos processos cognitivos, que Kant chama de entendimento, e então a conversão do material bruto que afetou os nossos sentidos em conhecimento das coisas é denominada experiência. Podemos assumir então que nenhum conhecimento é anterior, no sentido temporal, à experiência; todo conhecimento começa por ela. Leia mais…