Lógica Matemática – Conectivos

outubro 6, 2009 5 comentários

Este artigo se propõe a discutir o significado dos conectivos lógicos; para tanto, é necessário investir em uma profunda discussão linguistico-filosófica sobre o funcionamento desses operadores. O aspecto prático destes conectivos, ou seja, as tabelas de verdade dos conectivos, está presente no artigo sobre a semântica da linguagem.

No artigo anterior foram introduzidas as proposições compostas, que são enunciados que são formados por proposições simples. Estas proposições simples são ligadas por conectivos e, juntas, formam a proposição composta. Por sua verdade depender somente dos valores de verdade das proposições componentes, a proposição composta é uma função de verdade de suas componentes, dessa forma, também é chamada de vero-funcional. Proposições vero-funcionais são de importância fundamental na lógica.

Conhecemos muitos conectivos na língua natural, por exemplo:
e, ou, não, se… então, mas, pois, como, por, embora, nem.

Esta lista de maneira nenhuma pretende ser exaustiva. Leia mais…

O Silogismo

setembro 18, 2009 2 comentários

O silogismo é um personagem central na Lógica clássica. A lógica tem como objetivos analisar a estrutura de argumentos dedutivos e identificar os raciocínios que devem ser considerados válidos. Argumentos são classificados em dedutivos ou indutivos e a distinção entre eles deve ser bem compreendida.

Os raciocínios indutivos, como costuma-se dizer, partem do particular para o geral; e os dedutivos, do geral para o particular. Mas este contraste parece não nos comunicar muita coisa, o que realmente se quer dizer com “do particular para o geral” e vice-versa? Leia mais…

Lógica Matemática – Proposições

setembro 17, 2009 Deixe um comentário

Proposições

Uma das linguagens formais mais importantes da lógica é o cálculo proposicional. Geralmente é o primeiro a ser ensinado a iniciantes em lógica matemática. O objetivo do cálculo proposicional é representar as proposições através de variáveis e abstrair da linguagem ordinária as propriedades de certos conectivos sentenciais. Antes de explicar o que são exatamente ‘conectivos’, devemos deixar clara a noção de proposição. Leia mais…

Lógica Matemática – Introdução

setembro 17, 2009 1 comentário

Lógica Matemática, por quê?

Desde os tempos de Leibniz sonhava-se em criar uma linguagem artificial que fosse livre das ambiguidades e imprecisões da linguagem ordinária. Este ideal começou a se realizar no século XIX, principalmente após o advento da Begriffschrift (Conceitografia) de Frege. Foi aí que se iniciou uma ruptura com toda a tradição clássica da lógica e foram estabelecidos os fundamentos da lógica simbólica moderna. E então a lógica veio a ser contemplada e estudada por filósofos, matemáticos, engenheiros, cientistas da computação e linguistas.

Assim como a lógica clássica aristotélica, a lógica moderna busca explicar as relações válidas entre premissas e conclusão em raciocínios dedutivos. A principal diferença reside na construção de uma linguagem formal para levar esta tarefa a cabo. Mas porque os filósofos e matemáticos acharam que era importante deixar a linguagem natural de lado e desenvolver uma artificial? Leia mais…

Non Causa Pro Causa

julho 2, 2009 1 comentário

A falácia Non causa pro causa, também conhecida como Falsa Causa, é  um tipo geral de falácias que envolvem causalidade. Esta falácia ocorre quando se assume como causa de um efeito algo que não é a verdadeira causa. Muito comum em toda espécie de julgamento, normalmente é um erro de raciocínio cometido inconscientemente, isto é, sem a intenção de enganar, novamente relacionado com a nossa tendência cognitiva de identificar padrões. O erro emerge quando duas variáveis (eventos) possuem alguma relação e daí conclui-se que um causou o outro. Leia mais…

Argumentum Ad Hominem

junho 10, 2009 3 comentários

A falácia informal mais famosa e mais usada em todos os tipos de discussões, tanto debates formais quanto discussões desimportantes da nossa vida diária. Argumentum Ad Hominem, talvez a falácia mais humana de todas, que consiste em ignorar por completo o que foi dito e atacar o interlocutor; Ad Hominem, do latim “contra o homem”, é, talvez, a maior expressão da irracionalidade a que somos submetidos ao tentar defender nossas paixões. Leia mais…

Petitio Principii

junho 10, 2009 1 comentário

Petitio Principii, Petição de Princípio, Argumento Circular, Begging the Question são os diversos nomes pelos quais esta falácia é conhecida.

A falácia Petitio Principii é uma falácia informal, e é um tipo de argumento em que a conclusão a ser provada é utilizada como premissa no mesmo argumento. Normalmente esta falácia passa despercebida por quem a comete, e é muito comum em qualquer tipo de discussão onde o interlocutor não sabe exatamente como defender o seu ponto de vista, está confuso ou é ingênuo o suficiente para formar suas crenças dessa forma. Por ser uma falácia informal, o erro não está em qualquer aspecto formal do argumento, isto é, geralmente, a forma da inferência não é inválida, mas a verdade da conclusão não é devidamente sustentada pelas premissas e o argumento pode ser enganador. De forma resumida, a falácia petitio principii leva a uma conclusão que já foi dita nas premissas; Leia mais…

Categorias:Petitio Principii